O que é a dieta detox?

1. O que é “detox”?


“Desintoxicação” é uma abreviação do termo “desintoxicação“, este método baseia-se no funcionamento da dieta cetogênica: A dieta das proteínas ou dieta baixa em hidratos. Descreve um processo natural que ocorre no corpo. O processo de desintoxicação neutraliza os resíduos tóxicos que se acumulam em nossos corpos através de um processo de transformação de tipo químico que os transforma em componentes relativamente inócuos e que serão eliminados do corpo através de fezes ou urina. As toxinas entram em seu corpo ao respirar ar cheio de elementos contaminantes, consumir comida lixo, fumar ou usar produtos perigosos. Eliminar as toxinas do corpo é um fator crucial para manter uma boa saúde em geral.


2. O que é uma dieta de desintoxicação?


dieta purificaçãoÉ uma dieta que ajuda o nosso corpo a eliminar os resíduos tóxicos potencialmente perigosos. Geralmente, se costuma chamar de “dieta detox” os programas de dieta planejada que se seguem para eliminar toxinas de uma determinada parte do corpo. Por exemplo, há planos de dietas detox para limpar o cólon, fígado e o sistema digestivo.


As dietas de desintoxicação específicas tendem a ser de curta duração. Também são recomendados para perder peso. Funcionam à base de fornecer ao seu corpo diversos compostos naturais que são necessários para a desintoxicação, tais como vitaminas, antioxidantes e outros nutrientes. Alguns destes compostos naturais ajudam a eliminar as toxinas do seu corpo ao aumentar o trato intestinal ou da frequência com que urina. Conheça também quais são os benefícios de levar a cabo uma dieta vegetariana ou dieta semi-vegetariana.


3. Como razões para se submeter a uma dieta detox?


O consumo regular de comida pouco saudável reduz substancialmente a capacidade natural do seu corpo para desintoxicar ou eliminar compostos químicos perigosos. Há determinados indicadores de níveis tóxicos no nosso corpo, tais como a sensação de inchaço, fadiga, freqüentes resfriados, problemas digestivos, alergias ou o aparecimento de eczemas. A presença de toxinas em nosso corpo também leva a desequilíbrios hormonais, falhas no sistema imunológico, deficiências nutricionais, e um metabolismo ineficiente. Se submeter a uma dieta detox pode ajudá-lo a reparar, manter e otimizar a capacidade de desintoxicar o seu próprio corpo.


4. Quais são os benefícios de uma dieta detox planejada?


Os benefícios incluem: mais energia, um maior alerta mental, uma pele mais macia e limpa, um melhor sistema imunológico, uma melhor digestão, e muitos mais efeitos positivos em geral.


5. Recomendação MásQueSalud: Quando não se recomenda uma dieta detox?


dieta saudável desintoxicaçãoNão deverá submeter-se a uma dieta detox planejada se você está grávida. Uma dieta detox não pode ser muito adequada para você, se você sofre de anemia, diabetes, doença do coração, dos rins ou do fígado, você tem um fraco sistema imunológico, sofre de hipotireoidismo, baixa pressão arterial, úlcera, epilepsia, câncer ou colite ulcerosa. As dietas de desintoxicação não são adequadas para serem aplicadas em crianças.


6. As dietas de desintoxicação têm efeitos secundários?


Sim, pode haver algum. Por exemplo, alguns dias depois de ter iniciado uma dieta detox, podem ocorrer dores de cabeça. Ou pode-se sentir muito cansado depois de ter purga algumas vezes. A maioria dos efeitos secundários desaparecem dentro de poucos dias.


Você também pode sofrer uma forte diarreia se você se submete a uma dieta de desintoxicação pela primeira vez em sua vida ou a dieta é forte demais para o seu corpo. Portanto, o melhor é fazer a dieta detox sob a supervisão de profissional da medicina.


7. Tenho que consultar um médico antes de tentar uma dieta detox planejada?


Sim, é altamente recomendável. Sintomas como o cansaço, irritabilidade, acne, perda de peso ou apetite excessivo não indicam, necessariamente, que precisa submeter-se a uma dieta detox. Em ocasiões, pode haver outras causas médicas reflexo destes sintomas que requerem um tratamento diferente. Por isso, a consulta com um médico e sométete a um exame de consciência antes de se iniciar uma dieta detox.


8. Quais os alimentos que são normalmente incluídas em uma dieta detox?


dieta detox purificaçãoUma dieta detox inclui alimentos com um alto teor em fibra e o consumo de uma quantidade adequada de água. Também consiste normalmente de legumes verdes frescos, tais como brócolis e espinafre, e outros alimentos saudáveis, como o alho, alcachofra, beterraba, couve-flor, arroz, legumes, nozes e algumas sementes. Também consiste de toda a classe de frutos, menos as uvas e frutas vermelhas.


9. Posso continuar tomando uma medicação, enquanto faço uma dieta detox?


Não, deve submeter-se a uma dieta detox quando você estiver bem de saúde. Também não se sometas a dieta depois de ter o período.


10. O que posso comer depois da dieta detox?


Uma vez terminada a dieta detox, não deverá voltar a comer a primeira de câmbio alimentos pouco saudáveis, como bolos ou fritos. Você deve voltar-se pouco a pouco uma dieta menos restrita, porém mais saudável.


11. Qual o melhor produto detox do mercado?


Recomendo o uso de DETOPHYLL se você quer o melhor produto detox do mercado.

Shake de Pepino – Shake saudável para emagrecer

Vamos começar este artigo, com a seguinte afirmação: “nada mais saudável do que algumas fatias de pepino”, isso deve ter ouvido pelo menos um milhão de vezes durante toda a sua vida. E é que é uma máxima dita por mães, médicos, treinadores, pessoas fitness e pare você de contar, assim que não deve estar muito longe da realidade, quando é um elemento onipresente na cozinha, basicamente, em saladas; na cosmética, cataplasmas para desinflamar os olhos ou em máscaras para a pele; nas dietas para perda de peso; nas bebidas ou batidos; em fim, o consumo do pepino é tão saudável, que seria um erro tipográfico, não incluí-lo em nossa ingestão diária.


shake-1 pepino


Então, conhecer o valor nutricional do pepino, a fim de saber quais são os benefícios que traz para o nosso organismo. O peino caracteriza-se por apresentar muita fibra e líquido, mas, além disso, por ser uma rica fonte de minerais como o cálcio, fósforo, ferro, sódio e potássio, assim como as vitaminas A, C e algumas do complexo B. neste sentido, o pepino contém uma grande variedade de elementos que nutrem o nosso corpo e fornecem os seguintes benefícios:



  • Por seu conteúdo de flavonóides, que acaba por ser excelente antioxidante e rejuvenescedora.

  • É anti-inflamatório e antihemorrágico, devido a que é uma excelente fonte de vitamina K.

  • Seu aporte de potássio e magnésio, fortalecem o sistema cardiovascular.

  • Seu consumo fortalece o sistema ósseo.

  • A ingestão do pepino em milk-shake, é um poderoso paliativo contra as altas temperaturas.

  • O suco de pepino atua em favor da pele, o cabelo e as unhas.

  • Um batido de pepino sem casca, colabora na eliminação de toxinas.

  • Melhora o sistema circulatório

  • Um bom shake de pepino, ajuda na boa digestão e ajuda o trânsito intestinal.

shake-pepino 3


Agora, muita gente não tolera o gosto do pepino em estado natural e preferir combinado com outros vegetais ou frutas, seja em saladas ou batidos. Se você está nesse grupo de pessoas que não pode consumir pedaços de pepino, a seguir oferecemos algumas receitas de shake de pepino, para que tenha alternativas e não procure desculpas para tomá-los, mas também podem ser consumidos por qualquer pessoa que deseje se beneficiar de tão completo vegetal.


shake-pepino


Batido básico. Coloque dois pepinos médios em pedaços e sem casca no liquidificador, agrégales meio copo de água e liquefaz-se energicamente. Se quiser, você pode consumí-lo imediatamente, sem adicionar outro elemento, agora, se você preferir, pode substituir a água por suco de laranja, o adoçante e gelo. O seu consumo é muito refrescante nos meses quentes, é altamente diurético e depurativo.


Batido energizante. Prepare o shake com um pepino, meio copo de suco de cenoura, um punhado de salsa, um talo de salsão e alguns brotos de alfafa. Este batido te dará a energia que você quiser para iniciar o seu dia, além disso é um desintoxicante natural que irá ajudá-lo a evitar dores nas articulações se você estiver realizando exercícios de alto impacto.


Batido de emagrecimento. Que bata uma xícara de pedaços de pepino, uma xícara de pedaços de abacaxi, meia colher de chá de gengibre ralado e o suco de um limão e 4 colheres de LINESHAKE. Esse shake tem propriedades diuréticas, laxantes e saciantes, o que será mais fácil fazer regime para perder peso e se desintoxicará seu organismo. É recomendado comer de noite, a fim de evitar imprevistos no momento de querer usar o banheiro.

20 Benefícios do Óleo de Coco (o 7 pode salvar sua vida)

Vamos falar de 20 Benefícios do Óleo de Coco. Você se parecem muitos? Até o momento, já foram publicados mais de 1500 estudos que, em sua maioria, demonstram que o Óleo de Coco é uma das refeições mais saudáveis do nosso planeta. Os usos e benefícios do Óleo de Coco vão mais além do que muitos pensam, porque o Óleo de Coco Virgem é um verdadeiro superalimento.


Os estudos descobriram os segredos do Óleo de Coco, e, mais especificamente, de suas gorduras super-saudáveis, chamados ácidos graxos de cadeia média, que são:



  • Ácido Caprílico

  • Ácido Laurico

  • Ácido Cáprico

10 benefícios da incorporação de óleo de coco na dietaEntre 60% e 65% da gordura do Óleo de Coco são compostas por estas três gorduras benéficas e em torno de 90% são ácidos graxos saturados saudáveis.


A maioria das gorduras que ingerimos passam por um processo de até 26 passos para se tornar energia, enquanto que estes ácidos graxos de cadeia média apenas passam por um processo de 3 passos. Isso os torna absolutamente únicos, dado que:



  • São digeridas mais facilmente

  • Não são armazenados como gordura no corpo

  • Têm propriedades antibacterianas e antifungicidas

  • São mais pequenos e permitem uma maior permeabilidade celular para produzir energia imediata

  • São processados no fígado e por isso se transformam em energia, em vez de ser armazenado como gordura

Por tudo isso, não deve extrañarnos que o Óleo de Coco ofereça esses 20 benefícios que estão listados abaixo de acordo com a pesquisa médica levada a cabo durante anos.


20 Benefícios do Óleo de Coco


1 O Óleo de Coco ajuda como tratamento natural contra o mal de Alzheimer


A digestão dos ácidos graxos de cadeia média do Óleo de Coco no fígado cria corpos cetónicos disponíveis de forma imediata para que o cérebro usa como fonte de energia. Os estudos recentes mostram que o cérebro cria a sua própria insulina para processar a glicose que chega e no cérebro dos pacientes com Alzheimer, a capacidade deste para criar essa insulina é muito reduzida ou inexistente, pelo que os corpos cetónicos que se criam ao consumir o Óleo de Coco postulam-se como uma fonte de energia alternativa para restaurar a função cerebral. Para mais informações, veja o artigo anterior, ou o ainda mais antigo, porque isto não é algo novo!. Referências científicas: 1, 2


2 O Óleo de Coco previne a hipertensão e a doença cardiovascular


O papel do Óleo de Coco na doença cardiovascularO Óleo de Coco é rico de forma natural em gorduras saturadas. As gorduras saturadas, além de aumentar o colesterol “bom”, o chamado HDL, também contribuem para tornar o coleterol “ruim” LDL-colesterol bom. Aumentando o HDL-colesterol no corpo pode promover uma melhor saúde cardiovascular e reduzir o risco de infarto. O Óleo de Coco, além disso, pode beneficiar o coração, reduzindo a quantidade de triglicérides no sangue.


3 O Óleo de Coco ajuda no tratamento de infecções de urina e rim


O Óleo de Coco tem uma boa reputação para a saúde renal, porque se sabe que há um bom trabalho limpando o trato urinário e contribuindo para curar as infecções de urina. Além disso, o Óleo de Coco tem sido demonstrado que pode proteger o fígado de danos, de acordo com um estudo científico (3)


4 O Óleo de Coco reduz a inflamação e a artrite


Em um estudo realizado na Índia (4), mostrou que o Óleo de Coco pode reduzir o inchaço e no tratamento da artrite melhor do que alguns medicamentos líderes do mercado. Em outro estudo recente, o Óleo de Coco coletado utilizando baixa temperatura mostrou que poderia destruir células inflamatórias, funcionando como analgésico e anti-inflamatório.


5 O Óleo de Coco auxilia na função do cérebro e da memória


Em um estudo (5) publicado no Journal of Neurobiology of Aging, os pesquisadores descobriram que os ácidos graxos de cadeia média, presentes no Óleo de Coco melhoraram a memória de seus sujeitos mais velhos.


6 O Óleo de Coco melhora o sistema imunológico


O Óleo de Coco é rico em Ácido Laúrico, precursor da monolaurina, um antibiótico natural que produz o corpo e reduz a candida e a bactería, ao mesmo tempo em que cria um ambiente hostil para os vírus. Se substituem grãos e açúcares na dieta do Óleo de Coco o sistema imunológico responde tornando-se mais forte para as infecções de todo tipo.


7 O Óleo de Coco é usado para prevenir e tratar o câncer


O Óleo de Coco pode ajudar a prevenir o Câncer porque as células cancerosas não podem alimentar-se da energia que se produz a partir do Óleo de Coco (corpos cetónicos) uma vez que são dependentes da glicose. Por isso, acredita-se que uma dieta cetogênica pode ajudar os pacientes com câncer.


8 O Óleo de Coco aumenta a energia e a resistência


O Óleo de Coco é de fácil digestão e produz energia em nosso corpo de forma contínua e uniforme, aumentando nosso metabolismo basal. Por isso, muitos triatletas usam Óleo de Coco em suas competições mais exigentes.


9 O Óleo de Coco melhora a digestão e reduz as úlceras de estômago


O Óleo de Coco ajuda o organismo a absorver as vitaminas lipo-solúveis, o cálcio e o magnésio, e por isso melhora a digestão. Se tomamos Óleo de Coco ao mesmo tempo que tomamos Omega-3, este último se torna o dobro de dinheiro, porque se assimilar melhor a presença dos ácidos graxos de cadeia média no Óleo de Coco. Além disso, o Óleo de Coco pode ajudar com as úlceras do estômago e colite.


10 O Óleo de Coco reduz os sintomas da pancreatite


Os Ácidos Graxos de Cadeia Média (AGCM ou MCFA ou MCT) do Óleo de Coco não precisa de enzimas pancreáticas para ser digeridos, assim, que a utilização de Óleo de Coco para cozinhar enquanto você sofre de pancreatite reduz o estresse no pâncreas.


11 O Óleo de Coco ajuda com os problemas de pele


Pele Saudável com Óleo de CocoO Óleo de Coco é um excelente aliado do cuidado da pele como o líquido de limpeza, hidratante, protetor solar e anti-bacteriano. Mas também pode ser eficaz no tratamento de desordens da pele. O Ácido Cáprico e Ácido Laúrico do Óleo de Coco reduz a inflamação de forma interna e hidratam de forma externa em todo o tipo de peles.


12 O Óleo de Coco previne a gengivite e ajuda na saúde bucal


Realizar enxaguar a boca com Óleo de Coco tem sido, durante séculos, a melhor forma de prevenir problemas dentários, uma vez que elimina as bactérias e ajuda na saúde das gengivas.


13 O Óleo de Coco ajuda a prevenir a osteoporose


Os dois maiores aliados da osteoporose são o estresse oxidativo e dos radicais livres. Em contra, o Óleo de Coco tem alto nível de antioxidantes, que ajuda de forma eficiente a lutar contra os radicais livres, propondo-se como um tratamento natural contra a osteoporose. Ao usar o Óleo de Coco aumenta a absorção de cálcio no intestino. Estudos recentes (6) demonstram que o uso de Óleo de Coco não só aumenta a massa óssea, mas que em pacientes de osteoporose, além disso, reduz a perda dessa massa óssea.


14 O Óleo de Coco pode ajudar a melhorar os pacientes de diabetes tipo II


Os Triglicerídeos de Cadeia Média (MCT ou TCM) presentes no Óleo de Coco ajudam a equilibrar a resistência à insulina nas células e promovem uma digestão mais saudável. Isso ajuda a reduzir a resistência à insulina, que é uma das causas da diabetes tipo II e, em geral, libera o pâncreas de um esforço que, ao fornecer a energia que não é dependente das reações de glicose.


15 O Óleo de Coco ajuda a perder peso


Capa do Livro Emagrecer sem MilagresNumerosos estudos têm mostrado que a inclusão de Óleo de Coco em dietas cetogénicas tem contribuído para acelerar a perda de peso nos indivíduos estudados. No livro Emagrecer sem Milagres, o autor relata como milhares de pessoas ao redor do mundo conseguiram perder peso incluindo doses específicas de Óleo de Coco Virgem em sua dieta.


16 O Óleo de Coco ajuda a gerar uma nova massa muscular e perder gordura


Os MCTs (Ácidos Graxos de Cadeia Média) não servem apenas para estimular a queima de gordura; também são ótimos para gerar uma nova massa muscular. A maioria dos suplementos para aumentar a massa muscular levam MCTs, no entanto, se você estiver interessado em ganhar massa muscular, é melhor tomá-los de forma natural, como, por exemplo, com o Óleo de Coco Virgem.


17 O Óleo de Coco oferece vantagens no seu uso capilar


Se você tem caspa ou cabelo seco, o Óleo de Coco é seu aliado perfeito para melhorar essas condições. Na verdade, o Óleo de Coco pode fazer muito mais para o seu cabelo, como falamos anteriormente neste artigo.


18 O Óleo de Coco é usado na luta contra a candida e as infecções


Para matar Candida e tratamento de infecções, o melhor é excluir da dieta os açúcares e os grãos (cereais) e substituí-los por Óleo de Coco, tomado três vezes ao dia, tal como sugerem os estudos científicos (8)


19 O Óleo de Coco é um poderoso agente anti-envelhecimento


De Acordo com um estudo publicado na Food and Function, o Óleo de Coco melhora os níveis de antioxidantes no corpo, o que contribui para frear o envelhecimento. O Óleo de Coco trabalha reduzindo o estresse no fígado e reduzir o nível de estresse oxidativo (9). Além disso, os pesquisadores descobriram que o Óleo de Coco é benéfica no processo de desintoxicação pela forma que trabalha no fígado.


20 O Óleo de Coco auxilia no equilíbrio hormonal


O Óleo de Coco também pode ser benéfico para equilibrar os hormônios, pois é uma fonte natural de Gordura Saturada, incluindo o Ácido Laúrico. Estudos recentes (10) demonstram que o Óleo de Coco é uma ótima gordura para consumir durante a menopausa, pois tem efeitos positivos sobre os níveis de estrogênio.


E agora que leu os 20 benefícios do Óleo de Coco e que sabe como o número 7 pode salvar sua vida, você ainda não se decidiu a começar a utilizá-lo? Confira aqui o óleo de coco em capsulas ConuTherm.

Alimentos baixos em hidratos de carbono e alguns conselhos sobre ells

Alguma vez você já deve ter ouvido falar sobre os alimentos baixos em hidratos de carbono, já que se tornaram os ingredientes preferidos por aqueles que desejam perder peso, isso inclui alimentos com baixa ou nula composição nutricional de hidratos de carbono. Por isso que neste artigo iremos detalhar quais são os alimentos baixos em hidratos de carbono assim como também um que outro conselho:

alimentos baixos em hidratos de carbono

Os alimentos baixos em hidratos de carbono ajudam a perder alguns quilos


Alimentos baixos em hidratos de carbono e dicas sobre eles


Verduras e legumes


Não é cem por cento certo que as verduras e legumes são os alimentos de baixos hidratos de carbono, por excelência, já que existem alguns que possuem altas doses desta substância. As que, principalmente, são caracterizados pelo seu baixo teor em hidratos de carbono são: a abobrinha, brócolis, couve-flor, espinafre, cogumelos, aipo, tomate cereja, couve, agrião, pimentão, aspargos, berinjela, espinafre, pepino, cebola, chuchu, vagem, rúcula, escarola, alho-poró, aipo e alface.


A abóbora e a batata-doce, pelo contrário, podem parecer muito baixos em carboidratos, mas não são. Isto é porque, apesar de ter um índice glicémico baixo, ou seja, açúcares são de lenta absorção pelo corpo, tem uma carga glicêmica muito alta, melhor dito demasiados hidratos de carbono.


Frutas


As frutas, muitas vezes, podem chegar a promover altos níveis de carboidratos, isso se deve ao seu conteúdo em frutose, que é uma fonte de hidratos de carbono. São muitas as frutas que possuem altas quantidades de frutose, no entanto, isto pode evitar ter um certo consumo de frutas, assim, reduzindo a velocidade que os carboidratos são metabolizados pelo corpo. Um exemplo disso seria consumir frutas ao lado de uma fonte de fibra, como a presente em sementes de chia, ou ser consumida com o bagaço no caso da tangerina ou laranja. As frutas que têm um menor teor em hidratos de carbono são o abacate, morango, pêssego, melão e coco.

Também lhe recomendamos que leia:Alimentos que possuem carboidratos, sua importância na dieta

Proteínas


Os alimentos de baixos hidratos de carbono são geralmente ricos em proteínas como a carne, peixe, ovos, produtos lácteos, soja e quinua. A proteína é um nutriente essencial para o organismo já que deles se obtém os aminoácidos, sendo estes últimos muito importantes nas funções estruturais, metabólicas e motoras, e são componentes essenciais dos músculos e a formação de colágeno.


Também não podemos deixar de mencionar que as proteínas são fundamentais para a produção de hormônios, enzimas e na regulação das funções imunes. Os alimentos mais ricos em proteínas e que tem todos os aminoácidos essenciais são os de origem animal, tais como peixe, frango, carne, ovos e produtos lácteos. Você deve sempre ter em conta que se deve dar preferência às proteínas que são provenientes das partes magras, como peixe e frango sem pele, pato, lombo, lombo, leite desnatado e queijo branco.


As proteínas que devem ser evitados


Deve-Se evitar as proteínas processadas, como bacon, salsichas e presuntos, assim como também aquelas carnes com pele (coxa) ou com gorduras muito aparentes. Isto é devido a que têm uma alta concentração de gordura saturada. A recomendação que nos dão alguns especialistas é que o consumo de gorduras não deve exceder a 10% das calorias na dieta.


Fontes de gorduras


Não necessariamente por que um alimento seja uma fonte de gordura vai ser excluída dos alimentos baixos em hidratos de carbono, já que existem alguns deles que possuem gorduras saudáveis, entre os quais mencionaremos são o óleo de oliva e de coco, abacate e outros, sendo uma fonte de gorduras não saturadas que, portanto, são saudáveis. Diversos estudos têm demonstrado que o consumo deste tipo de alimentos chega a ser muito benéfico para a prevenção de doença cardiovascular e acidente vascular cerebral, isto se deve a que este tipo de gordura aumenta os níveis de HDL e diminui o colesterol LDL, reduzindo o risco de sofrer de ataque cardíaco ou aterosclerose.

Também lhe recomendamos que leia:Alimentos que possuem carboidratos, sua importância na dieta

Fontes de gordura para evitar


As gorduras que devem ser evitadas a qualquer coisa são aquelas que provêm de gorduras saturadas, geralmente está presente em grandes quantidades na carne vermelha. Também devemos evitar as gorduras trans que podem ser encontradas em alimentos processados, como biscoitos, batatas fritas, entre outros. Devemos ter em conta que, às vezes, este tipo de alimentos processados vêm com a descrição de zero gordura trans. No entanto, têm ingredientes como o óleo de palma, ou gorduras hidrogenadas, sendo consideradas como parte dos alimentos trans. Este tipo de gordura produz um aumento do risco de sofrer de excesso de peso / obesidade, doenças crônicas e cardiovasculares.


Alimentos que parecem baixos em hidratos de carbono, mas que não o são:


Os pães e massas, que provêm de grãos inteiros podem propagar a falsa idéia de que possuem baixas quantidades de carboidratos, mas não são, já que, apesar de ter um baixo índice glicémico, devido ao seu alto conteúdo de fibra, fazendo com que a digestão dos hidratos de carbono seja mais lenta, mesmo assim, continuam a ser uma fonte de hidratos de carbono e não podem ser considerados alimentos de baixos hidratos de carbono. Cereais como o arroz, grão de bico, feijões, lentilha, entre outros, não são considerados baixos em hidratos de carbono, já que, apesar de ter baixo índice glicêmico (digestão lenta) todos estes cereais ainda têm grandes quantidades de hidratos de carbono e não são considerados baixa em carboidratos.


Dieta baixa em hidratos de carbono


Uma dieta baixa em carboidratos pode ser segura, sempre e quando a pessoa consuma as quantidades suficientes de hidratos de carbono. A quantidade de hidratos de carbono a consumir não deve ser inferior a 40% da ingestão total de energia, sem contar as proteínas ingeridas, mas é uma dieta difícil de seguir, pois diminui, em grande medida, uma fonte de abastecimento de alimentos de baixos hidratos de carbono que estão presente em legumes e carnes.

Alimentos antidepressivos para recuperar o controle de suas emoções

A depressão é um mal que afeta o estado de espírito das pessoas, que pode ser momentâneo ou permanente. Geralmente caracteriza-se pela presença de um sentimento de culpa, depressão e infelicidade, com pouca capacidade para desfrutar de momentos agradáveis da vida. A depressão pode estar acompanhada de certa ansiedade. No entanto, este mal muitas vezes você pode contralar com o consumo de alimentos antidepressivos e neste artigo você vai conhecer quais são os melhores.


alimentos antidepressivos


Fatores que promovem a depressão


A origem desta doença é multifatorial, já que pode ser causado por elementos genéticos, biológicos e psicossociais. Entre os fatores de nosso ambiente social e do meio ambiente, que podem aumentar o risco de sofrer de depressão, podemos citar:



  • Estresse psicossocial,

  • Aumento da permeabilidade intestinal,

  • Má alimentação,

  • Intolerâncias alimentares,

  • Obesidade,

  • Inatividade física

  • Tabagismo,

  • Falta de sono,

  • Deficiência de algumas vitaminas, etc.

Muitos destes fatores estão relacionados com uma alimentação inadequada. Sendo importante, nestes casos, ter uma dieta saudável e equilibrada. Além de incluir alimentos antidepressivos” para melhorar esta condição.


Quais são os alimentos antidepressivos?


Os alimentos anti-depressivos caracterizam-se por ter vitaminas, minerais, aminoácidos, ácidos graxos e outros compostos que favorecem o desempenho do sistema nervoso. Abaixo, você conhecerá alguns dos nutrientes presentes nos alimentos antidepressivos, presta muita atenção se você quiser mudar o seu estado de ânimo, comendo saudável e equilibrado.


Fontes de Vitamina C


A vitamina C é muito utilizada para combater diversas doenças. Um consumo inadequado desta vitamina pode contribuir para a depressão. Também deve-se ressaltar que o consumo de vitamina C pode reduzir os níveis de vanádio, um mineral que esta associado com a depressão bipolar. Você pode encontrar este nutriente em: Laranjas, limões, toranjas, cebola, alho, abacaxi, frutas vermelhas, papaias (mamões), frutos secos e outros.

Também lhe recomendamos que leia:Alimentos para a depressão – Porque consumi-los

O complexo B para a depressão


Os alimentos que lhe fornecem as vitaminas do complexo B e que podem ser ainda muito benéficos para as pessoas que sofrem de depressão.



  • Vitamina B1: Estimula o sistema nervoso e o metabolismo dos carboidratos. Encontra-Se em cereais de grão inteiro, carne vermelha, pão, gema de ovo, leguminosas, vegetais de folha verde, milho doce, frutas, arroz integral e o fermento.

  • Vitamina B2: A deficiência pode resultar em mudanças agressivas de sua personalidade. A encontras em grão inteiro, carne, leite, ovos, queijo e ervilhas

  • Vitamina B3: Sua deficiência está associada com a depressão devido a que produz irritabilidade e transtornos mentais, em casos mais graves, pode até levar a loucura e psicose. Este nutriente é encontrado nas carnes, levedura de cerveja, peixe, leite, legumes, ovos, amendoim e batatas.

  • Vitamina B5: Ajuda a conciliar o sono, sua deficiência pode causar insônia. Isto por sua vez pode produzir quadros depressivos, devido à falta de sono. Você pode encontrá-la em carnes, legumes e cereais de grão inteiro.

  • Vitamina B6: É a que mais afeta os casos de depressão, é necessária para a formação de neurotransmissores importantes para o funcionamento do cérebro. Está na carne, fígado, peixe, arroz integral, manteiga, cereais integrais, gérmen de trigo e a soja.

  • Vitamina B12: Melhora o transporte de oxigênio e sua deficiência causa um clima adverso e outros transtornos mentais. Está presente em carnes, fígado, frango, gema de ovo e leite.

Fontes de triptofano e fenilalanina


O triptofano é um aminoácido que ajuda na formação da serotonina e age como um relaxante muscular. A serotonina é o responsável pela manutenção de um estado de espírito em equilíbrio e sua deficiência pode produzir quadros depressivos. Os alimentos que contêm triptofano são: alho, cebola, aveia, abóbora, repolho, feijão, tomate, manga, figo e proteínas de origem animal (peru, frango e peixe).


Outro aminoácido que está entre os alimentos antidepressivos é a fenilalanina, a qual contribui para produzir a norepinefrina ou noradrenalina (neurotransmissor). O objetivo principal deste neurotransmissor é promover um estado de excitação. Assim, não é de estranhar que cerca de baixos níveis de norepinefrina chegam a produzir a depressão. Isto se deve a que produzem fadiga mental, cansaço, mau humor, entre outros. Este aminoácido é encontrado nas proteínas, leite e derivados, ovos, leguminosas (grão de bico, feijão, soja, ervilhas, lentilhas).

Também lhe recomendamos que leia:Alimentos saciantes e de sua ajuda para manter um peso saudável

Minerais que combatem a depressão


Minerais como o magnésio, cálcio, selênio, lítio e potássio são a linha de defesa contra a depressão. Você pode encontrar alguns desses nutrientes nas nozes, figos, cocos, bananas, mangas, amêndoas, abacate, etc., Certos minerais são obtidos através de complexos vitamínicos em caso de sofrer de depressão.


Os carboidratos complexos


Alguns tipos de depressão, como a produzida por síndrome pré-menstrual e depressão de outono, melhoram com o consumo de carboidratos complexos. Estes alimentos antidepressivos são formados pelo arroz, aveia, lentilhas, soja, feijões, ervilhas, entre outros. Também podemos encontrá-los em legumes como espinafre, batatas, cenouras, cebolas e frutas como pêra, pêssego, ameixas e maçãs.


Omega-3


O omega – 3 é um coadjuvante nos tratamentos antidepressivos, isso se deve a que mantém o equilíbrio mental e ajuda em tratamentos de doenças mentais, como a esquizofrenia. A principal fonte de omega-3 óleo de peixe, mas também é encontrado na linhaça, abacate, amêndoa, a avelã, o espinafre, a framboesa, etc.


A capsaicina melhora da depressão


Este composto estimula a segregação de endorfinas, mais conhecidas como hormônios da felicidade. Estas substâncias, quando estão em níveis adequados, ajudam a superar a depressão. A capsaicina é possível encontrar o gengibre, a pimenta caiena e a pimenta.


Efeito dos alimentos que combatem a depressão


Embora a depressão tem causas variadas, sabe-se que uma alimentação adequada pode melhorar o estado de espírito daqueles que a sofrem. Não há dúvidas, então, que a expressão “você é o que você come” é literal, pois o que ingerimos pode nos ajudar ou nos prejudicar.


Está comprovado que os níveis baixos de serotonina e noradrenalina, substâncias químicas que favorecem a transmissão dos impulsos nervosos, têm relação com a depressão. Se se consegue melhorar a alimentação e despertam a estas substâncias, o estado anímico pode mudar. Vale a pena esforçar-se por mudar os hábitos alimentares para alcançar uma boa saúde mental e física. Conheça de perto este artigo as substâncias que estão nos alimentos antidepressivos e ajudam a superar esta condição.

Também lhe recomendamos que leia:Alimentos para queimar gorduras localizadas

Como incluir os alimentos antidepressivos em sua dieta?


O estado de ânimo pode ser afetado pelos alimentos que consomem. Às vezes uma refeição ajuda-nos a sentir bem a curto prazo. No entanto, se você quiser aproveitar ao máximo as propriedades anti-depressivas dos alimentos, o melhor é levar uma dieta equilibrada todos os dias. Além disso, é necessário esclarecer que não existem alimentos específicos para curar a depressão. Mas sim, é certo que a alimentação saudável e equilibrada, juntamente com um tratamento adequado, podem contribuir em grande medida para superar os estados depressivos.



  • Importância Alimentos Antidepressivos